Autismo na escola: os desafios e a importância da inclusão

2 Minutos de Leitura
Read Time2 Minute, 14 Second

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que cerca de 1 em cada 160 crianças no mundo possui autismo. Mas, será que os professores estão preparados para lidar com o autismo na escola?

A inclusão acontece a partir do momento que o aluno procura a escola e deve ser garantida sua permanência nela.  

Segundo a lei as instituições de ensino não podem exigir o laudo médico ou não realizar a matrícula do autista.

Alguns especialistas esclarecem que geralmente as escolas exigem o laudo médico com a expectativa dele ajudar no trabalho que eles devem realizar com o aluno em sala de aula. 

Entretanto, o diagnóstico é revelado por meio do comportamento da criança e as dificuldades de cada uma delas são específicas.

O que diz a lei sobre o autismo na escola?

A LDB aponta que o ingresso de uma criança autista na escola regular é um direito garantido.

Além disso, a LDB considera a necessidade da escola ajudar a criança na efetiva integração com a vida em sociedade.

Aliás, outras leis como a Constituição Federal também defendem o acesso do estudante com autismo à escola regular.

Promova a inclusão

A escola deve investir nas habilidades dos autistas para ajudar nos pontos que o estudante precisa melhorar.

Se o autista realizar uma atividade diferente o professor deve socializar a turma isso e gerar experiência para os alunos.

Isso ajuda os alunos na compreensão, respeito e inclusão do autismo na escola. 

É necessário elaborar um plano pedagógico para as crianças autistas e preparar as equipes gestoras. Não  se deve substituir esses profissionais por outros como alternativa, porque é essencial que o professor saiba lidar com as situações do autista e caso surja um outro profissional ele deve realizar uma atividade complementar.

As especializações em EAD oferecidas na área de autismo ajudam a dar um suporte melhor também para os professores enfrentarem os desafios.

Assim, a diversidade também deve ser trabalhada e se o aluno autista não tem o interesse de jogar futebol mas nas aulas de educação física, por exemplo, sua habilidade de pensar estrategicamente como o time pode marcar o gol é uma outra opção que o professor pode levar em consideração.

Portanto, trabalhar a inclusão do autismo na escola é essencial para promover resultados positivos para toda a sociedade.

Se você já teve dificuldades ou apresentou dúvidas em trabalhar a inclusão do autismo na escola, deixe sua dúvidas nos comentários para que possamos ajudar você.

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *